COMUNICAÇÃO CORPORATIVA E OS “RUÍDOS” O próximo Curso de Capacitação e Certificação de Ouvidoria a ser promovido pela ABO-SC em OMD nos dias 10 e 11 de julho em Florianópolis-SC, prevê uma nova abordagem com o professor Silvio Luzardo. Fim de linha para “Os atributos de uma Ouvidoria” e entram em cena as práticas da “Comunicação Corporativa” tendo como principal personagem o Ouvidor, desenvolvendo Habilidades e Estratégias, para atingir os principais objetivos de uma Ouvidoria: satisfazer as demandas dos clientes. E, por isso, vai ser investido de uma novidade, o papel de “Interlocutor” dentro do processo de Comunicação Corporativa.

Atualmente, avançam novas práticas de “compliance”, inserem-se novos regulamentos que buscam ajustar a conduta e o comportamento profissional dos indivíduos enquanto para os colaboradores internos surgem ferramentas tecnológicas voltadas à capacitação, à atenção e à interação dinâmica das organizações. E tudo isso e mais um pouco se desenvolve através de ajustados processos de comunicação, que têm a finalidade de promover uma robusta reputação e imagem dos feitos esperados da instituição, seja ela pública ou privada.

Uma das novas abordagens será a questão dos “Ruídos”. Existe, no campo da comunicação social, um leque de explicações sobre o que significa um “ruído” e os estragos que ele provoca quando a instituição não valoriza relações humanas balizadas pela harmonia e pela camaradagem no ambiente de trabalho. Então, podemos dizer, inicialmente, que “Ruído” é tudo aquilo que provoca um desvirtuamento da mensagem original por força de uma mensagem mal elaborada pelo Emissor ou pela “intenção” do Receptor em fragilizá-la ou dela tirar proveito.

O “Ruído” passou a se mostrar mais agressivo com o surgimento das “redes sociais”, onde as pessoas se assenhoram de poderes de cutucar sem vara, denunciar sem provas, agredir sem dar socos, mas atingindo a credibilidade e o conceito de pessoas e instituições. As Mensagens, portanto, tiveram renovada a importância do quesito “oportunidade” na sua divulgação no momento e ocasião apropriados. Além disso, as mensagens devem ser bem elaboradas para que não provoquem uma distorção motivada pela própria ausência de dados corretos. Enfim, numa Ouvidoria, cada “mensagem” contém valores que se justificam por si só e que agregam junto com a responsabilidade pelo conteúdo e ação decorrente, o empenho em produzir uma resposta condizente e íntegra, que não demande desacertos, desacord